Smartphones chegam para integrar ainda mais o ecossistema de pagamento

Complementaridade entre tecnologias em terminais de pagamento é tendência para o setor

Com a chegada da solução Tap2Pay, que transforma qualquer smartphone Android com NFC (tecnologia de comunicação por aproximação) em um terminal de pagamento apenas com a instalação de um aplicativo, o que muito tem se falado é que os possivelmente os smartphones vão substituir as maquininhas de cartão. Na opinião de Wilton Brito, executivo do Grupo Gertec, o mercado de meios de pagamento vem evoluindo ao longo dos últimos anos em uma direção que indica um formato muito mais de inclusão e complementaridade das tecnologias e formas de pagamento do que de substituição ou de obsolescência das tecnologias atuais.

“Caminhamos para um mundo de pagamentos com muito mais ofertas de produtos e soluções que ajudem o lojista a entregar uma melhor experiência de uso e de atendimento ao consumidor. É provável que teremos muitas opções disponíveis, e tanto o consumidor, quanto o lojista poderão escolher o que fizer “mais sentido” para o seu uso, conforme os benefícios e vantagens de cada um”, avalia.

A Gertec que é a desenvolvedora do Tap2Pay, e é uma das principais empresas brasileiras de tecnologia para meios de pagamento e automação comercial, e na visão do executivo, essa transformação no setor de meios de pagamentos é observada pela mudança significativa na forma como o dinheiro circula e é transacionado. “Temos observado que o volume de dinheiro, em espécie, circulando na economia tem sido reduzido de forma bastante significativa nos últimos tempos”, diz.

Segundo dados do BC, somente entre os meses de janeiro a outubro de 2021, a redução da circulação de dinheiro físico foi de R$ 40 bilhões. “Grande parte desta mudança tem sido impulsionada pelo avanço da tecnologia, maior competição no setor e também pelo amadurecimento do mercado, que tem hoje maior oferta e acesso a produtos e serviços financeiros digitais, incluindo as novas formas de pagamento como o PIX e as carteiras digitais e pagamentos por aproximação (NFC), por exemplo”, explica.

O próprio mercado de “maquininhas” também vem evoluindo e se transformando. Brito dá o exemplo dos terminais de pagamento Android, conhecidos como SmartPOS atuais, que se assemelham muito mais a um PDV (terminal de caixa) para o lojista por sua capacidade de processamento e de recursos, do que dos tradicionais terminais POS (maquininhas de cartão) que fazem apenas o pagamento. “É possível supor que todos aqueles equipamentos que o lojista possui atualmente no terminal de caixa (PDV), que na maioria das vezes inclui: computador, impressora, pinpad, leitores e outros periféricos, podem ser substituídos por um SmartPOS integrado com a automação comercial. Isto possibilita menor custo, mobilidade e melhor aproveitamento do espaço físico para o lojista, ou ainda, poderia funcionar em conjunto com o terminal de caixa (PDV) tradicional, expandindo a capacidade e qualidade de atendimento do estabelecimento comercial”, diz.

Por fim, o executivo deixa um ponto de reflexão: “se olharmos de uma forma mais ampla, é possível nos questionarmos até mesmo sobre a existência do próprio smartphone como é conhecido nos próximos anos. Será que ele também irá se transformar? Ou deixará de existir?”, questiona.

Sobre a Gertec:

A Gertec é uma empresa brasileira desenvolvedora de soluções tecnológicas para meios de pagamento, automação comercial e bancária. Atuamos há mais de 32 anos no mercado, fornecendo produtos, serviços e soluções que incluem plataformas de gerenciamento de terminais, pesquisa de satisfação, terminal por assinatura, entre outros. Hoje contamos com mais de mil colaboradores, em duas fábricas localizadas em Ilhéus e Manaus, uma unidade de negócios em São Paulo, e uma unidade de serviços localizada na Grande SP. Além disso, possuímos uma rede credenciada de assistência técnica e suporte em todo o Brasil.