Roberto Jefferson posta foto no Twitter com pose de bandido

Quando disseram que o Jair Bolsonaro atraia o pior das pessoas, não estavam brincando. Vemos muitas das piores demonstrações de desumanidade acontecendo sempre em torno do nome do presidente. Geralmente através de seus ministros, seus aliados no governo e seus apoiadores.
Desde que começou sua campanha presidencial, as pessoas que mais tem chamado atenção que tem qualquer relacionamento com a ideologia do presidente Bolsonaro, chamam atenção pela crueldade, pela ignorância, pela incompetência e pela violência.
Disfarçados no discurso de patriotas ou cristãos, as vezes ambos, vemos pessoas fazendo horrores e se achando no direito de cometerem estes horrores por estarem aliados ao Bolsonarismo.

Desta vez, Roberto Jefferson, um dos mais recentes aliados de Bolsonaro na política posta foto no Twitter fazendo pose de bandido, segurando um fuzil.  O que mais impressiona é que ele tem a ousadia de citar o lema de campanha de Bolsonaro, que por sua vez é uma cópia do slogan do Hitler da Alemanha Nazista, "Brasil acima de tudo, deus acima de todos".
Em tom de ameaça seu tuíte fala de combate, e cita comunismo e traidores como alvo.

Preso na Lava Jato


Roberto Jefferson é um dos deputados que foram presos pela operação Lava Jato, chegou a cumprir pena, ficou em regime semi aberto e depois teve prisão domiciliar.
Não é a toa que agora, ao lado do Bolsonaro que tem indícios de ligações com a milícia e que já deu declarações de que milicianos são bem vindos, exaltando os milicianos, Roberto Jefferson se acha no direito de postar foto estilo bandido gangster.
Apesar de fazer toda essa bravata, e depois de ser condenado no esquema do mensalão, Roberto Jefferson claramente pratica o crime previsto no artigo 23, da lei de segurança nacional: “Incitar à subversão da ordem política ou social”.

Apesar de Bolsonaro ter se apoiado no Moro para se fazer passar por uma pessoa idônea e contra corrupção, agora que o Sérgio Moro revelou as verdadeiras intenções de Bolsonaro de mudar nomes na Polícia Federal para impedir o avanço de investigações contra aliados e contra o seus filhos, ao sair do cargo de Ministro da Justiça, agora Bolsonaro se vê completamente isolado politicamente e se une a pessoas que foram até mesmo presas ou estão sendo investigadas. Toda sua retórica de "cidadão de bem", sobre sua fala "contra corruptos", e suas afirmações de "bandido bom é bandido morto", agora se demonstram apenas falas populares, e que ele está disposto a qualquer coisa para se manter no poder assim como proteger sua família das inúmeras investigações criminais.

Enquanto todo este circo acontece no governo Brasileiro, os cidadãos enfrentam a maior crise mundial de pandemia. O presidente Bolsonaro, que agora nem partido tem mais, segue fazendo tudo para se manter no poder e usa a pandemia como cortina de fumaça enquanto atua para blindar sua família e aliados políticos, que são cada vez mais escassos. Uma tragédia por dia tem se revelado o governo do pior presidente que o Brasil já elegeu, agora com mais pedidos de impeachment que o Collor e a Dilma.
Sua gestão em menos de um ano e meio quebrou todos os recordes negativos que existiam e segue descendo ladeira abaixo.