Planejamento e considerações sobre um Website de Acesso Restrito

As pessoas estão cada vez mais acostumadas com a Internet e com o fato de que certos conteúdos são de acesso exclusivo para quem faz a assinatura. Esta já foi algum tempo atrás uma das grandes barreiras no investimento online de conteúdo restrito, as pessoas quererem pagar para ver conteúdo online.
Outro grande investimento era o sistema de acesso, que em muitos casos precisava ser construído do zero.

Hoje em dia com a facilidade que a Internet oferece, existem dezenas de sistemas que oferecem ferramentas de acesso restrito. Algumas destas ferramentas são pagas, ou seja, você precisa pagar para poder usar, o que significa talvez uma mensalidade constante, outras limitam os pacotes por quantidade de armazenamento, ou até mesmo pelo número de usuários ativos.

O importante é que as pessoas agora entendem muito bem que, estar logado, ter acesso a algo, através de login, é algo cotidiano. Seja para fazer aulas, seja para acessar bibliotecas de vídeos, de musica, usar serviços bancários, etc. Podemos dizer que uma grande maioria da população conectada está acostumada a usar acesso restrito.

O outro lado da questão é justamente como melhor tomar proveito deste momento digital, é claro que muitas iniciativas já se mobilizaram para migrar cada vez mais seus negócios para o mundo virtual, o que faz muito sentido tanto do ponto de vista da situação de saúde pública, mas principalmente porque conteúdo que é gerado para a Internet pode ser produzido e distribuído mais de uma vez. Vou dar um exemplo, se você consegue fazer uma aula online bem feita, gravada de forma eficiente, você consegue por consequência também ter aquela aula visualizada milhares de vezes por milhares de pessoas diferentes. Ao invés de você ter de dar aquela aula milhares de vezes, você pode aprofundar sua pesquisas, as informações, e lançar uma segunda aula com mais desdobramentos e informações, e assim, a medida que você vai produzindo informações de qualidade, você vai gerando um certo acervo de conteúdo, que eventualmente, começará a fazer sentido para as pessoas pagarem para terem acesso.

Qual é o exato volume de conteúdo necessário para ter uma audiência pode variar muito dependendo do tipo de nicho de atuação que se tem.
Alguns nichos são muito competitivos, como por exemplo, o ambiente do entretenimento, mas por outro lado, outros nichos de estudo e aprendizado, ainda podem expandir muito.

Independente do projeto, ter a ideia é apenas parte do trabalho, mas fazer o conteúdo de forma contínua é fundamental. Uma plataforma de acesso restrito só tem valor para o visitante se o conteúdo que estiver disponibilizado dentro desta plataforma, seja de interesse para alguém. É por isso que existem sistemas que oferecem toda a estrutura para você colocar cursos online, assim com a venda combinada de vários criadores de conteúdo, é possível atrair mais pessoas interessadas em cursos.

É claro que qualquer pessoa pode criar conteúdo, tendo um bom celular, sabendo escrever bem, e tendo conhecimento sobre uma determinada area de atuação ou nicho de interesse, mas isso não significa que esta pessoa terá o mesmo conhecimento sobre como utilizar ferramentas online e nem mesmo o que resulta em usar determinadas ferramentas ou outras para disponibilizar conteúdo restrito.

Uma das principais considerações é o endereço deste conteúdo, afinal, se o conteúdo é seu e faz parte de sua marca, talvez seja importante que ele esteja localizado dentro do domínio da sua marca na Internet, e não no endereço de outra empresa. Apesar de outras empresas oferecerem ferramentas e estruturas gratuitas, nem sempre elas estão apenas sendo inovadoras, mas sim também muito espertas em atrair pessoas para consumir um conteúdo produzido por terceiros, mas que está, diretamente disponível unicamente no endereço digital desta empresa.
Isso evidentemente faz com que o valor digital do conteúdo, fique muito mais atribuído a esta empresa, do que específicamente a sua marca, mas você recebe pelo seu trabalho, evidentemente dando um percentual para a empresa que está fornecendo toda a solução tecnológica para você.

Por outro lado, se você não quiser dividir com estas empresas online parte dos seus lucros, você tem a possibilidade de criar sua própria plataforma, e isso na realidade pode ser mais simples do que parece.

No grande geral, as plataformas de acesso restrito tem funções específicas e necessidades bem claras, portanto, é possível, rápidamente se identificar estas necessidades, e por causa disso, existem opções independentes de disponibilização de conteúdo restrito, onde você pode ter, em seu domínio, toda estrutura necessária para fornecer acesso restrito ao seu conteúdo. Este tipo de abordagem leva para um caminho diferente, onde você acaba responsável pelo próprio sistema, mas também traz a liberdade de usar o sistema da forma como quiser, e isso em alguns casos de CMS pode significar utilizar outras ferramentas de integração que permitem ampliar ainda mais as possibilidades de visualização e acesso ao conteúdo, melhorando ainda mais a experiência para o seu cliente e usuário, assim como também recebendo 100% do investimento.

Agora, é preciso também refletir sobre qual é a sua presença digital ideal, você é uma marca ou você é uma pessoa. Um profissional talvez não queira investir e arriscar com uma plataforma própria, e neste caso, vale a pena dividir os lucros com alguma plataforma online divulgar seu conteúdo, receber por isso e não se preocupar com mais nada.
Agora se você é uma entidade, uma empresa, uma escola, enfim, ai você vai querer pensar duas vezes sobre o assunto, afinal, se você pretende investir no segmento de criação e distribuição de conteúdo restrito, você vai ter muito mais vantagens se a sua marca se tornar em evidência para o consumo deste conteúdo, assim você investe na divulgação da marca, ampliando sua visibilidade e atraindo as pessoas para o conteúdo restrito.

Independente do caminho a ser escolhido, é sempre importante lembrar que a Internet é de fato e sempre será um ambiente carente de conteúdo, afinal mais pessoas consomem conteúdo do que produzem, portanto, se o seu conteúdo é inédito e exclusivo, disponibilizar este conteúdo de forma restrita pode fazer muito sentido.