Paulo Guedes em recorte parece estar elogiando o socialismo

Henry Bugalho mostra, em um recorte de fala como é fácil fazer parecer que uma pessoa está falando o oposto do que intencionava falar.
A partir disso Henry Bugalho dá uma explicação muito interessante sobre como os filósofos e pensadores viam e compreendiam o socialismo e faz uma reflexão obre a verdadeira situação do mundo em frente a pandemia global. A importância de serviços estatais que servem principalmente para reduzir desigualdade.

É importante lembrar que o próprio início do Cristianismo teve uma base socialista, onde todos que adentravam ao movimento vendiam todos seus bens e doavam tudo que tinham ao apóstolos e representantes que tratavam de dividir igualitariamente entre todos os demais.
Acho importante lembrar isso uma vez que muitos conservadores tentam associar hoje em dia o capitalismo ao cristianismo, ignorando completamente suas origens e intenções iniciais.
É claro que em qualquer situação onde pessoas doam dinheiro a uma "entidade" há uma grande chance desta entidade se corromper, como vimos acontecer com o cristianismo e é a base do curandeirismo moderno das igrejas pentecostais e evangélicas que hoje investem até mesmo em propagandas na televisão, em jornais e tudo que é mecanismo de divulgação para poderem capturar mais recursos.

Paulo Guedes por outro lado é o Ministro da Economia no Brasil, e desde que assumiu cargo nunca trouxe resultados, pelo contrário, suas falas, que podem até terem sido mal interpretadas, revelaram uma pessoa que está unicamente preocupada com a elite Brasileira, ou seja, grandes corporações e grandes empresas, e é claro os bancos.
Durante toda gestão do governo Bolsonaro, Paulo Guedes falhou em promover iniciativas que realmente gerassem novos empregos e pior do que isso, sua administração parece buscar novas oportunidades de taxação do povo.

Passamos a campanha presidencial inteira de 2018 ouvindo Bolsonaro dizer que "economia é com o Paulo Guedes", e sempre que algum repórter questionava sobre o plano de governo neste setor tão crucial, ele nem sequer sabia responder qualquer pergunta básica sempre recorrendo ao Paulo Guedes e direcionando as pessoas a questionarem o ministro, desta forma se inocentando de qualquer problema futuro mas também ao mesmo tempo exibindo desde lá atrás que não havia de fato um plano fundado, estudado e armado ou discutido entre eles.