Pastor homofóbico assume presidência da comissão de direitos humanos

O Pastor Marco Feliciano, indicado pelo Partido Social Cristão assumiu nesta quinta feira o cargo de presidente da Comisão de Direitos Humanos da Camara apesar de forte protesto por todo Brasil.

A audiência começou com renúncia do presidente da comissão, após ser decretado que a votação aconteceria em portas fechadas. As manifestações contra o Marco Feliciano foram ignoradas e os manifestantes foram proibidos de entrar na seção, censurando o povo que teve de ficar sem poder de expressão, acompanhando do lado de fora.

No vídeo abaixo, vemos Dutra renunciar o cargo de presidente da comissão, sair da seção e foi acompanhado com mais alguns parlamentares, assim denunciando a ilegitimidade do que estava acontecendo.

 

 

O Pastor Marco Feliciano a alguns meses atrás fez declarações homofóbicas e racistas em seu Twitter, demonstrando que sua visão política tem como objetivo exclusivo impor os valores retrógrados de sua crença religiosa. Prints destas declarações estão distribuídas por toda Internet.

pastor_marco_feliciano

 

Após confirmação de que  o pastor Marco Feliciano seria presidente da comissão, outros representantes de posicionamento homofóbico e também ligados a mesma religião (cristianismo) começam a parabenizar o o pastor Marco Feliciano publicamente nas  redes sociais, com frases que demonstram o que a comunidade religiosa que está tentando tomar de assalto o governo Brasileiro pretende.
Aparentemente este grupo cristão começa a querer se chamar de minoria, quando na verdade o que deveria ser questionado são as suas afirmações religiosas, que são cientificamente e historicamente incorretas, mas para tentar fugir da responsabilidade de comprovar ou ser desqualificadas as afirmações buscam amparo tentando forjar a lei a sei favor. Nem que para ter o direito de falar que gays são doentes eles precisem tomar de assalto posições no poder. Dinheiro sabemos que eles tem.

pastores-no-twitter

Evidentemente o cristianismo está com os dias contados, a religião passa pela maior perda de fieis da história pelo mundo, e as tentativas desesperadas dos representantes religiosos em se manter no poder e assegurarem seus direitos de poderem disseminar ideologias de homofobia, racismo, preconceito e desinformação científica estão começando a tomar forma. Enquanto se auto intitulam de minoria, querem ignorar a necessidade de assumir a responsabilidade do que falam.
Na Internet recentemente o Silas Malafaia foi amplamente repudiado após efetuar afirmações incorretas sobre homossexualismo no programa de televisão Marilia Gabriela onde deu entrevista.
Suas afirmações além de demonstrar uma falta de conhecimento sobre o assunto, também demonstraram falta de honestidade em tratar sobre o assunto. O vídeo de Eli Vieira rapidamente repercutiu em toda internet mostrando que todas as afirmações científicas do Silas estavam incorretas, e portanto comprovando que o pastor não teria base científica para sua opinião de que homossexualismo é uma doença além do texto bíblico, que por sua vez, não tem mérito com a realidade. Mais recentemente a Sociedade Brasileira de Genética publica um manifesto que redobra as informações sobre bases genéticas da orientação sexual confirmando as afirmações de Eli Vieira e negando as hipóteses infundadas do pastor Silas Malafaia.

Por trás de toda a iniciativa religiosa de assumir controle do poder, existe a agenda política de favorecer a religião que como podemos ver em casos repetidos está tanto de fora da realidade que busca por maneiras de se proteger contra criticas não através do debate franco, mas através da imposição de leis, e por isso buscam locais de maior controle político no governo Brasileiro.

O pastor Marco Feliciano está neste momento respondendo processos de homofobia e estelionato (recomendo lerem este texto).

Para quem não conhece o pastor, existe um vídeo dele que foi distribuído online que demonstram o pastor pedindo quantias de mil reais para os fiéis da igreja. É macabro.

Este é o presidente da comissão de direitos humanos no Brasil.

 

Existe um abaixo assinado contra o pastor já em ação pela Avaaz o qual se convoca a todos para participarem.
Clique aqui para ir para a Petição no  site da Avaaz

 

Em Porto Alegre em várias cidades do Brasil um ato de repúdio está marcado para este sábado.

repudio-marco-feliciano-porto-alegre