NOITE SENHOR F APRESENTA MANI MANI, NACIONAL RIVIERA E BOB SHUT

A Noite Senhor F de junho será dedicada ao que há de mais criativo na nova geração do rock gaúcho. No dia 30 de junho, três bandas irão se revezar no palco do Opinião, com estilos próprios e para todos os gostos. A Mani Mani, novo projeto do Cidadão Quem Luciano Leindceker, promete aliar ao seu pop rock uma sonoridade diferenciada, a partir de instrumentos pouco usiais, como o cajon e o quince. Na mesma onda, os grupos Nacional Rivieira e Bob Shut vão provar que o rock alternativo dos anos 90 ainda pode render ótimos e agradáveis momentos, sempre atuais. Os ingressos para a próxima edição da Noite Senhor F estarão à venda somente no local e no dia do show, por R$ 15.

MANI MANI

 

Mani Mani  - Credito - Divulgação (1) (1)

 

A Mani Mani é formada por Paulo Inchauspe, Luciano Leindecker e Caio Girardi, amigos de longa data com experiências bem parecidas no cenário pop rock gaúcho. Com um trabalho autoral que visa experimentar novos rumos e construir seus próprios conceito, a banda foi a escolhida para a abertura do show de Julieta Venegas em Porto Alegre e headliner da primeira edição do Festival Movimento Gisarte.

Instrumentos como violões, cajon, bandolim e quince (criado pelo próprio Luciano Leindecker) trazem uma identidade sonora peculiar à Mani Mani, que em suas letras demonstra a representatividade do cotidiano de suas próprias vivências. Expor sentimentos, experiências e acontecimentos através de uma sonoridade diferenciada é o que faz da Mani Mani uma banda singular. A língua espanhola, também presente em algumas musicas, traz à tona as influencias do sul do país.

 

NACIONAL RIVIERA

 

Dois amigos partem para uma breve viagem. Depois de muita música e algumas cervejas a mais, um deles volta com um violão novo na bagagem e uma ideia fixa na cabeça: montar uma nova banda. Foi assim que Gustavo Foppa (vocal e guitarra) deu o pontapé inicial para o projeto que hoje é chamado de Nacional Riviera. Não demorou muito para que novos “nacionais” se juntassem a ele nesta empreitada. Leonardo Bittencourt (teclado), André Mendonça (baixo), Mateus Avila (percussão), Beto Stone (bateria) e Bernard Simon (guitarra) completam o sexteto que já está circulando e ocupando espaço pelos palcos da capital gaúcha.

Como toda banda nova, tudo ainda é muito novo. A Nacional Riviera carrega de baixo do braço um EP de estreia com duas canções: “Despedida” e “Empate”. Além do material, a banda ainda leva um punhado de canções nos bolsos, composições essas que não deixam dúvidas das diferentes referências musicais de cada integrante e das muitas influências que o grupo vem recebendo até hoje.

 

BOB SHUT

Bob ShuT_Giovana Mazzohi (96) (1)

 

            Composta por Douglas Trancoso (vocal e baixo), Juliano Mengatto (vocal e bateria) e Leonardo Vivan (guitarra), a Bob Shut tem sido notada por seu estilo com letras positivas, existencialismo e um som interiorano atípico para bandas de rock. Inspirada pela música alternativa dos anos 90 e usando instrumentos como acordeom, trompete, cajon e kazoo, a banda apresenta em seu segundo disco, “II”, uma eclética forma de compor, ainda mantendo a sua marca “rural”. Mesclando em seu repertório suas próprias composições com covers que influenciaram os músicos (Cake, Radiohead, Pavement, Men at Work e Beatles), o trio desenvolve, com simplicidade, um show descontraído e carismático.

 

NOITE SENHOR F

MANI MANI, NACIONAL RIVIERA E BOB SHUT

Onde:

Opinião (Rua José do Patrocínio, 834)

Quando:

30 de junho, domingo, a partir das 21h

Classificação:

16 anos

Ingressos:

Pista: R$ 15

 

Pontos de venda:

Apenas no local no dia do show

Informações:

www.opiniao.com.br

www.twitter.com/noiteSenhorF

www.facebook.com/noitesenhorfpoa

(51) 9246-0676