Nicotina pode diminuir riscos do CoronaVirus sugere pesquisa Francesa

Em um hospital na França foi constatado que entre um número de casos atendidos de Coronavirus, pessoas na faixa dos 40 anos tiveram sintomas mais leves do Coronavírus. Após efetuar uma análise dos pacientes atendidos os médicos foram tentar buscar elementos que fossem comuns entre os infectados que foram mandados de volta para casa e uma informação se destacou, eles eram fumantes, portanto tinham nicotina no sangue, o que ajudou possivelmente a inibir o vírus.

Os dados sobre a questão são apenas observados mas não existe de fato nenhum estudo que comprove qualquer confirmação sobre a nicotina ser de fato eficiente para inibir ou conter o vírus. Para obter este tipo de informação haveriam de serem efetuados estudos mais aprofundados sobre a substância em relação ao vírus.
Para fazer estes estudos os cientistas franceses já solicitaram autorização ao ministério da saúde da França. As pesquisas envolvem averiguar se a nicotina tem alguma propriedade que possa de fato ajudar a impedir sintomas fortes do vírus, e outro busca constatar se as propriedades da nicotina podem ter algum papel no tratamento de pessoas contaminadas.

O que porém ficou constatado são as baixas estatísticas de pessoas fumantes infectadas com o Coronavírus.
É claro que a pressa para tentar achar a solução para o problema pode sim levar a erros, porém talvez exista algum relacionamento entre o consumo de nicotina e a baixa quantidade de infectados que fumam.
Ainda não existem relatórios similares no mundo mas certamente após este anúncio dos franceses todos lugares que estão atendendo infectados irão fazer verificações com relação a possibilidade.
Na França testes de adesivos já estão sendo preparados para tentar descobrir se há alguma possibilidade de que a nicotina possa ter alguma substância que seja benéfica para quem estiver contaminado.

"A hipótese" que explicaria este fenômeno "é baseada no fato de que a nicotina impede, ou retém, o coronavírus de se fixar no receptor celular que ele normalmente utiliza", evitando, assim, que penetre nas células e se espalhe pelo organismo, explica à AFP o médico Jean-Pierre Changeux, do Instituto Pasteur.

É importante dizer que estas informações não são de forma alguma uma sugestão para que as pessoas comecem a fumar por medo de infecção por Covid-19.
Neste momento não existe nenhum dado concreto e nem outras pesquisas que revelem a mesma constatação.

No Brasil porém já existem diversos casos de pessoas que estão conseguindo se recuperar da doença, o que é sempre motivo de comemoração.
Veja vídeo abaixo do Tecmundo onde são discutidos vários assuntos relacionados sobre o Coronavírus no Brasil e o assunto sobre o tabagismo e o Covid-19 são abordados.