Leitura de poesias em trajeto de barco é atração no Passeio Público

No próximo sábado, dia 19 de outubro, serão recitadas poesias em trajetos de barco no lago do Passeio Público. Em viagens feitas em duplas, as pessoas poderão ouvir leituras poéticas declamadas por Maria de Jesus e Wanda Bondan. O trajeto de barco é gratuito e integra as ações literárias da Bienal Internacional de Curitiba, coordenadas pelo poeta e curador convidado Ricardo Corona.

Os poemas recitados fazem parte da antologia Fantasma Civil, que será lançada no próximo no dia 21 de outubro, às 17h, no Palacete Wolf. Essa ação é, sobretudo, um gesto poético que se oferece à cidade pela fala do coração destas mulheres.

A antologia Fantasma Civil, organizada por Ricardo Corona para a Bienal, reúne 42 poemas de 42 autores brasileiros que mantêm alguma afinidade com Curitiba. O conjunto de poemas acessa lugares da cidade, propondo-se a uma cartografia sensível da capital paranaense.

Com projeto gráfico da artista visual Eliana Borges, a publicação é composta de folhas soltas acondicionadas em uma caixa. Cada página traz impressa, além do poema, uma imagem a que o texto faz referência. A publicação estará disponível gratuitamente nas Tubotecas para que os moradores de Curitiba tenham acesso à obra.

As declamadoras

Maria de Jesus, 79 anos, é uma das convidadas a recitar poemas no trajeto de barco do Passeio Público. Mesmo sabendo vários de seus poemas prediletos de cor, ela conta que a última vez que declamou poesias em público foi na época da escola, quando era criança. Desde lá, os livros sempre estiveram presentes na sua vida. "A literatura deve fazer parte da vida de todas as pessoas, a gente não vive sem isso. Um livro aberto é um amigo que espera", afirma Maria.

Aposentada há 15 anos, ela conta que divide seu tempo para cuidar do corpo e da mente. Pelo menos uma hora de cada dia é dedicada à leitura. Com tantos livros importantes que passaram por sua vida, ela não consegue eleger apenas um como preferido. "O último que li foi 'Os Colegas de Anne Frank' (Theo Coster, 2012)", conta. A voz doce de Maria é uma marca de sua personalidade. E quando suas palavras se transformam em versos e rimas, emocionam.

Catarinense que vive em Curitiba, Wanda Bondan tem 74 anos e a última vez que declamou poemas também foi na época de colégio. "No dia 7 de setembro sempre recitávamos poesias", lembra. A aposentada tem uma queda pelos livros sobre espiritismo. Seu preferido é o romance "Violetas na Janela", de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho, que se tornou um best-seller brasileiro na década de 1990. Wanda tem muitas paixões em sua vida. Além da literatura, está sempre fazendo seus bordados e crochês. Ela também brinca que gosta de se exibir. Além de praticar teatro amador há oito anos, Wanda desfila há mais de uma década no carnaval de rua curitibano, no bloco "Rancho das Flores".

Patrocínio
A Prefeitura Municipal de Curitiba/Fundação Cultural de Curitiba e o Banco Itaú apresentam a Bienal Internacional de Curitiba 2013, realizada por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura (Lei Rouanet). Esta edição também conta com o patrocínio PetrobrasBNDESVotorantim Cimentos e Volvo, além da Copel e Sanepar, por meio da Conta Cultura. Tem copatrocínio da Barigui Financeira e Construtora JL, além do apoio do Governo do Paraná/Secretaria de Estado da Cultura, Sesi no Paraná e Sistema Fecomércio Sesc Senac PR.

Serviço

Leitura afetiva dos poemas da antologia Fantasma civil
Declamadoras: Maria de Jesus e Wanda Bandan

Local: Passeio Público
Data: 19 de outubro (sábado)
Horário:
Manhã: das 9h às 11h
Tarde: das 14h às 17h
Participação gratuita