Funcionários são coagidos a se humilharem por patrões em Campina Grande

No Brasil o despreparo do governo está tão grande e notório para lidar com a pandemia do Coronavírus que o desespero do povo é notório. 
É preciso prestar atenção na quantidade de pessoas em situação de extrema vulnerabilidade que dependem do seu trabalho para conseguirem sobreviver. Um grande parte da população Brasileira ganha pouco dinheiro, sendo assim não sobre dinheiro para economizarem, muito pelo contrário, geralmente mesmo trabalhando em empregos, lhes faltam dinheiro. Sendo assim, os Brasileiros em grande parte não tem reservas financeiras para conseguirem ficar confinados em quarentena em uma pandemia. Os patrões se aproveitam de leis que possibilitam que eles não paguem os funcionários. As pessoas começam a ver suas contas atrasarem e o pior, sua dispensa e suas geladeiras vazias.
Em Campina Grande um protesto chamou atenção. Funcionários ajoelhados em frente as lojas. Uma clara referência ao ato cristão de rezar, porém, evidentemente nem todos ali eram religiosos muito menos cristãos.
Após verificação sobre o protesto, se constatou que os funcionários foram coagidos pelos seus patrões a se colocarem de joelhos, sob ameaça de demissão. Denúncias anônimas revelaram isso ao sindicato dos trabalhadores.

O desespero de perder o emprego, de não ter o que comer, é enorme. São pessoas que sempre foram independentes e sempre tiveram como ganhar o seu sustento através do próprio trabalho. Agora, tendo de se humilhar perante seus vizinhos, amigos, colegas, a mando de patrões ambiciosos e covardes.

Situações como esta são diretamente relacionadas ao fato do governo ser absolutamente incompetente em lidar com o Coronavírus no Brasil.

O pior de tudo é que ainda, o presidente do Brasil, que está sob ataque de todos os lados, podendo inclusive perder o cargo em breve, nada faz para ajudar os pobres. Com tantos partidos no Brasil, não existe dentre eles, numero suficiente para representar o povo, o qual seria sua função principal, e o presidente Jair Bolsonaro, que nem partido tem mais, agora é um maluco sem rumo, mais preocupado com as investigações dos crimes dos seus familiares do que com as mortes que estão empilhando pelo vírus e em seguida pela fome no Brasil.

O momento é de calamidade, e a culpa tem um único nome: Bolsonaro.
Ao ter sido eleito, nunca fez nada de decente em seu mais de 1 ano de mandato, porém, agora frente a uma crise internacional pandêmica, podemos nitidamente ver o imenso despreparo deste senhor para gerir o país.
Agora resta saber até que ponto as entidades Brasileiras vão conseguir tolerar este amargo gosto de morte que também pesa sobre suas consciências a cada dia em que Bolsonaro segue no cargo de presidente.