É preciso se estabelecer as regras do debate na sociedade

Assim como em toda disputa, existem regras. Quando se trata de sociedade, as regras que devem ser estabelecidas nos debates precisam ser rígidas.

Não é nada de novo vermos debates onde pessoas de lados opostos argumentam por uma causa, e no final, o que mais deveria importar durante este debate são os fatos, ou seja, o que de cada premissa adotada por cada interlocutor de cada posicionamento tem de evidência impírica e irrefutável sobre o que está defendendo.
Infelizmente o que vemos em muitos casos porém são pessoas botando para dentro do debate argumentos que não são comprovados, argumentos que muitas vezes até nem lógica tem, e até mesmo argumentos que já foram há muito tempo desqualificados.

Quem mais adentra debates com argumentos que não tem equivalência com a realidade são os religiosos.
Por algum motivo, em pleno século vinte um ainda existe um grande tabu na sociedade em se questionar as afirmações religiosas. Simplesmente não acontece.
Quando alguém está concorrendo á um cargo público no executivo político por exemplo e afirma que irá governar segundo a vontade de deus, nunca aparece um repórter para perguntar, que deus seria esse e como se pode verificar se as vontades são deste suposto deus. A partir do momento em que em qualquer debate se tolera a inserção de afirmações que são baseadas em crenças mitológicas, se perde a régua de tolerância e também a moralidade do debate. Se qualquer um pode afirmar qualquer coisa, então não existe função em haver um debate, pois não se está buscando pela verdade e apenas por quem consegue mentir melhor.
Para que o debate sobre qualquer tópico seja válido é preciso haver uma equivalência direta com o conhecimento atual humano, e levar em consideração os dados e informações mais recentes que estiverem a disposição.

Somente quem tem a melhor visão, a melhor capacidade de compreensão do mundo, em diversos de seus aspectos, deveria ser digno de sair vencedor em um debate.

Se em um debate se tolera que elementos invisíveis, impossíveis de provar, sejam utilizados como justificativa para que pessoas da sociedade sejam afetadas de forma negativa, este tipo de argumentação deveria ser imediatamente rechaçada. Se é necessário colocar um deus criador do universo e tudo mais, no meio de uma debate sobre a legalidade de um casamento homoafetivo, é porque na verdade a pessoa está se escondendo atrás de uma crença infundada e desprovida de embasamento factual para conseguir defender sua visão preconceituosa, quando por exemplo, podemos verificar que pessoas independente do sexo em que nasceram, ou que se identificam, e independente do sexo ou identidade que as atrai são exatamente iguais a qualquer outra pessoa no planeta, e até inclusive formam um percentual enorme da sociedade, assim como em muitos outros casos na própria natureza.
O fato absoluto em um debate como esse é que no momento em que a religião estava sendo concebida e criada, as pessoas que estavam fazendo a obra não tinham a menor ideia de como verificar se tais pensamentos eram falsos ou verdadeiros. Hoje contamos com o conhecimento de DNA, conhecemos uma grande parte da cadeia evolutiva dos nossos ancestrais e antepassados, e podemos com todas estas informações, concluir de forma impírica e sem dúvidas de que todas as pessoas que são LGBTQI+ não possuem nenhuma diferença em relação a pessoas hetero como os religiosos tanto insistem em afirmar baseando se unica e exclusivamente nos textos que professam ser sagrados, ignorando até mesmo o conhecimento que se tem de como estes textos foram na verdade concebidos, e neste caso, também não houve nada de sobrenatural ou celestial no processo.

O resultado direto de permitirmos como sociedade que afirmações sem evidencias, que se escondem apenas atrás de textos religiosos sem fundamento ou embasamento factual, sejam levadas em consideração por simples "educação" de estar "políticamente correto" acaba dando vazão para que as afirmações mais alucinadas sejam inseridas no debate público. Isso acaba distorcendo e distanciando o debate em chegar em conclusões efetivas.

O engraçado mesmo é poder comparar este tipo de comportamento com outros debates sociais,e assim percebermos que não existe em outro lugar de debate, a possibilidade de inclusão de uma religião ou algo similar para justificar algo.
Qualquer pessoa pode afirmar qualquer coisa, por exemplo, eu posso afirmar que eu tenho uma chave mágica que abre uma porta, que somente a minha chave invisível consegue abrir aquela porta, porém, é claro que existem mil maneiras de abrir a mesma porta. Enquanto isso, o chaveiro questiona, "então por que você não abre a porta?", então eu respondo que preciso esperar ouvir sete trombetas no céu para abrir a porta.
Até que momento, sendo o chaveiro, você aceitaria esperar as sete trombetas tocarem só para não ofender minha crença, vendo que, não apresentei uma chave em momento algum, e que no céu nunco houve toques de trombetas?
Só porque se tornou convencioado, claro que amplamente por causa da forma como os religiosos se infiltram na política, que não se deve questionar a religião, até quando a sociedade irá precisar ser apologética ou "respeitosa" com afirmações absolutamente sem sentido beirando a loucura, quando alguém avança em colocar em um debate alguma visão absolutamente religiosa completamente iverificável? Até quando falar qualquer coisa, e dizer que está agindo de acordo com as vontades de um ou outro deus ainda será o suficiente para qualquer um dizer qualquer coisa? Deveriamos de amadurecer e começar a olhar de forma mais cética para pessoas que fazem tais afirmações, pois se formos nos basear nas últimas milhares de vezes que alguém prometeu algo em nome de algum suposto deus, logo em seguida, foi desmentida.