Democracia por Wilhelm Reich

Eu gostaria sinceramente que você desse uma chance para uma introdução de um livro escrito em 1940 por um cientista que nasceu em algum lugar da Ucrânia (na época império austro-húngaro).
Se tua resposta for "okay, vamos tentar", então eu peço que tenha algumas coisas em mente antes de prosseguir:
a) A época que o livro foi escrito, digamos que em 1940 algumas vírgulas e algumas frases vão te dar agonia, mas nada impossível de ler. Mantive a transcrição extremamente original ao livro.
b) Em 1940 estava acontecendo ainda a Segunda Guerra Mundial, então, por favor, colocar-se dentro do período ao ler a introdução.

Democracia existe?

Introdução:

[...]

"O poder social, exercido pelo povo, através do povo, e para o povo, produzido pelo amor natural à vida e pelo respeito ao trabalho executado, seria invencível. Entretanto, esse poder pressupõe que as massas trabalhadoras se tornem psiquicamente independentes e capazes de assumir a responsabilidade total pela existência social e de determinar racionalmente sua própria vida. O que impede que isso aconteça é a neurose psíquica da multidão, que se materializa em todas as formas de ditadura e em todas as formas de tumulto político. Para dominar a neurose coletiva e o irracionalismo na vida social, i.e., para efetuar uma verdadeira higiene mental, é necessária uma estrutura social que deve, antes de tudo, eliminar a miséria material e salvaguardar o livre desenvolvimento das energias vitais em casa um e em todos. Essa estrutura social só pode ser a verdadeira democracia.

Entretanto, a verdadeira democracia não é uma condição de 'liberdade' que possa ser oferecida, concedida, ou garantida a um grupo populacional por um governo eleito ou totalitário. A verdadeira democracia é um processo longo e difícil, no qual o povo, protegido social e legalmente, tem (não recebe) todas as possibilidades de se exercer a si mesmo na administração de sua conduta social, individual e vital, e de progredir em direção a todas as formas melhores de vida. Em suma, a verdadeira democracia não é uma manifestação acabada que, como certos anciãos, goze seu glorioso passado de lutas. É, antes, um processo de luta incessante com os problemas de desenvolvimento ininterrupto de novas idéias, de novas descobertas e de novas formas de vida. O desenvolvimento será continuo e impossível de ser rompido somente quando o antiquado e senil, que desempenhou seu papel em estágio anterior de desenvolvimento democrático, for suficientemente lúcido para dar lugar ao jovem e novo em vez de reprimi-lo apelando para a dignidade ou para a autoridade convencional.

A tradição é importante. É democrática quando desempenha sua função natural de prover a nova geração com um conhecimento das boas e más experiências do passado, i.e., sua função de capacitá-la a aprender à custas dos erros passados a fim de não os repetir. A tradição torna-se a ruína da democracia quando nega à geração mais nova a possibilidade de escolha; quando tenta ditar o que deve ser encarado como 'bom' e como 'mau' sob novas condições de vida.

Os tradicionalistas fácil e prontamente se esquecem de que perderam a capacidade de decidir o que não é tradição. Por exemplo, o aperfeiçoamento do microscópio não foi conseguido pela destruição do primeiro modelo: o aperfeiçoamento foi realizado com a preservação e o desenvolvimento do modelo primitivo a par com um estágio mais avançado do conhecimento humano."

[...]

"O desenvolvimento da democracia anterior à guerra em uma perfeita e verdadeira democracia do trabalho significa que o publico em geral deve adquirir uma real determinação de sua existência no lugar do tipo formal, fragmentário e defeituoso de determinação que tem presentemente. Significa que o caráter político irracional da vontade do povo deve ser substituído pelo domínio racional do processo social. Isso exige a progressiva auto-educação do povo em direção à liberdade responsável. em vez da suposição infantil de que a liberdade pode ser recebida como um presente, ou pode ser garantida por alguém. Se a democracia quer erradicar a tendência à ditadura nas massas populares, deverá provar que é capaz de eliminar a pobreza e de conseguir a independência racional do povo. Isso, e só isso, pode chamar-se desenvolvimento social orgânico.

É minha opinião que as democracias européias foram derrotadas na luta contra a ditadura porque os sistemas democráticos estavam por demais carregados de elementos formais, além de serem deficientes demais quanto a uma democracia objetiva e prática. O medo à vida essencial determina todas as medidas educacionais. A democracia era considerada uma condição de garantia da 'liberdade' e não um instrumento no desenvolvimento da responsabilidade nas massas. Mesmo nas democracias, o povo era ensinado, como ainda o é, a ser cegamente fiel. As catástrofes dos tempos mostraram-nos que o povo ensinado a ser cegamente fiel em qualquer sistema se privará da própria liberdade; matará o que lhe dá liberdade e fugirá com o ditador.

Não sou político e nem versado em política, mas sou um cientista socialmente consciente. Como tal, reivindico o direito de dizer o que identifiquei como sendo a verdade. Se minhas observações científicas tiverem a capacidade de conduzir a uma organização melhor das condições humanas, o objetivo de meu trabalho será atingido. Quando as ditaduras forem reduzidas a zero, a sociedade humana precisará de verdades, e justamente de verdades impopulares. Essas verdades que se relacionam com as razões não reconhecidas do atual caos social prevalecerão finalmente, quer queira ou não o povo. Uma dessas verdades é que a ditadura tem suas raízes no medo irracional das massas à vida. Aquele que expõe essas verdades se arrisca muito - mas pode esperar. Não se sente forçado a lutar pelo poder com propósito de impor a verdade. Seu poder reside no seu conhecimento de fatos que, em geral, pertence ao gênero humano.

Não importa quão desagradável possam ser esses fatos; em tempos de exigência social extrema o desejo de viver da sociedade forçá-la-á a conhecê-los, apesar de tudo o mais. O cientista é obrigado a insistir no direito à liberdade de expressão sob todas as condições; esse direito não deve ser deixado àqueles cuja intenção é suprimir a vida. Ouvimos tanto a respeito do dever de um soldado - o desejo de sacrificar a própria vida pela pátria; ouvimos tão pouco sobre o dever de um cientista - de expor uma verdade uma vez que tenha sido reconhecida, custe o que custar.

O médico, ou, o professor, tem uma única responsabilidade, i.e, praticar inflexivelmente sua profissão, sem levar em conta os poderes que suprimem a vida, e ter em mente apenas o bem-estar dos que lhe são confiados. Ele não pode representar quaisquer ideologias que contradigam a ciência médica ou pedagógica.

Aqueles que se chamam a si mesmos democratas e querem contestar esse direito do pesquisador, do médico, do educador, do técnico ou do escritor são hipócritas ou, no mínimo, vítimas da chaga do irracionalismo. Sem firmeza e seriedade nas questões vitais, a luta contra a chaga da ditadura é uma luta sem esperança, porque a ditadura floresce - e só pode florescer-, na obscuridade dos fins não compreendidos da vida e da morte. O homem é um ser desamparado quando lhe falta o conhecimento; o desamparo causado pela ignorância é o fertilizante da ditadura. Um sistema social não pode ser chamado de democrático se tem medo de propor questões decisivas, de encontrar respostas insólitas, e de entrar em discussão a respeito dessas questões e respostas. Nesse caso, é derrotado pelo mais leve ataque a suas instituições por parte dos ditadores potenciais. Isso foi o que aconteceu na Europa.

A 'liberdade religiosa' é uma ditadura quando não caminha de mãos dadas com a liberdade da ciência; pois, se este é o caso, não há livre competição na interpretação do processo da vida. Deve decidir-se de uma vez por todas se 'Deus' é uma figura divina, barbuda, toda-poderosa, ou se representa a lei cósmica da natureza, que nos governa. Só pode haver um entendimento entre a ciência e a religião se Deus e a lei da natureza forem idênticos."

[...]

"Nosso mundo, na verdade, se tornou desconjuntado. Não importa, porém, a maneira como as sangrentas lutas do presente ensombrecem os séculos vindouros, permanece o fato de que a ciência da vida é mais poderosa que a tirania e que todas as formas de negação de vida. Foi Galileu, não Nero, quem assentou os fundamentos da tecnologia; Pasteur e não Napoleão, quem combateu as enfermidades; Freud, e não Schicklgruber, quem sondou as profundidades psíquicas. Foram esses cientistas, em suma, que asseguraram nossa existência. Os outros apenas abusaram das realizações de grandes homens para destruir o processo vital. As raízes da ciência natural penetram mais fundo que qualquer transitório tumulto fascista."

Wilhelm Reich - A função do orgasmo.
Nova York, Novembro de 1940.