Concentrar conteúdo e polarizar a Internet

Oi amigos e amigas!

Já perceberam como existe uma nova consciência surgindo no mundo que se preocupa com as reservas naturais do planeta, com a necessidade inteligente da reciclagem, e principalmente da emergente preocupação de melhor distribuição de "bens e recursos"?

É perceptível que quando algo fica concentrado em apenas uma fonte, a sobrecarga é praticamente inevitável.
Projetos de várias fontes de abastecimento, atuando em uma rede interconectada evitam a interrupção prolongada do abastecimento porque as fontes, por serem pequenas e distribuídas pela rede, podem ser temporariamente substituídas pelas demais fontes da rede no caso de problemas e manutenção.

Faz bem mais sentido do que ter uma unica fonte de energia abastecendo toda a rede, onde em algum momento, o abastecimento pode ser interrompido, e não haverá alternativas.

As vantagens das fontes distribuídas me parecerem ser mais atraentes, pois além de serem várias, que permite a competitividade, existe a possibilidade de utilizar fontes de energia diferentes.
Muitas empresas que tem um grande consumo de energia estão recorrendo a estas alternativas para conseguir diminuir seu impacto ambiental. Contratando energia de fontes sustentáveis de energia.

Falei das redes e da capacidade de abastecimento para colocar o mesmo ponto de vista com relação a Internet.
Quando vemos sites, sistemas ou idéias que acabam concentrando tudo em um único ambiente, corremos o risco de nos tornarmos completamente dependente daquele ambiente. Quando vemos sistemas de busca desaparecendo, outros sendo vendidos, percebemos que cada vez menos opções e cada vez menos empresas  estão competindo neste mercado.
Sites como o MySpace, que polarizaram completamente o seu público acabaram perdendo um pouco das vantagens de outros tipos de interatividade e agora, em certas convenções e palestras, é comum ouvir piadas sobre como o MySpace morreu.

As redes sociais vivem em um processo competitivo para ter mais usuários ativos, em comparação as outras.
Então é comum sermos bombardeados por atualizações e novas opções e redesigns, tudo isso é muito saudável.
Minha preocupação é que a longo prazo, algumas redes vão ficando para trás, e a liderança vai ficando cada vez mais acentuada. E quando houver apenas uma rede social? Será que todos utilizariam?
E qual seria a rede social vencedora? Será que seria uma das redes sociais já existentes?

Eu não consigo achar saudável qualquer serviço ou produto que seja oferecido exclusivamente por uma unica instituição.

Com a mesma perspectiva, seria o Google o mais inimigo de si mesmo no momento que ficar sozinho?
Já é notável que por melhor que seja o mecanismo do Google, ele nem sempre reflete os melhores resultados em suas páginas iniciais.  Acho fundamental que as pessoas possam ter acesso a fontes e opções alternativas de pesquisa.
Um sistema tendo todas as buscas do mundo concentrado, por mais que seja bem elaborado, como é o caso do Google, pode falhar, deve falhar muito todo dia, mas depender de uma única fonte é suicídio.
Colocar toda a pressão e expectativa em cima de um único serviço ou empresa não é algo que vejo como benefício.
O modelo de redes parece ser apesar das falhas, muito mais saudável. Receber informações de todos as pessoas que você determinou, poder se comunicar em grande escala sem receber reclamações de spam, e se uma das pessoas na rede falha, existem outras que seguem produzindo.

Existem centenas de novas alternativas, centenas de maneiras e se receber informações e encontrar o que se procura.
Eu pretendo nos próximos meses informar algumas alternativas para efetuar pesquisas que podem trazer vantagem para quem precisa constantemente efetuar buscas por informações online.

 

Imagem utilizada no post veio do site Tiproptens