Compra de equipamentos do Brasil são canceladas após EUA fazer compra massiva

Diversas compras de equipamentos de proteção individual que haviam sido feitas pelo Ministério da Saúde do Brasil foram canceladas após os Estados Unidos efetuarem uma compra massiva em enormes quantidades.
Os produtos foram transportados em 23 aviões cargueiros para os EUA.

Infelizmente a China é o principal produtor e fabricante destes produtos, como máscaras, luvas, entre outros produtos que são constantemente utilizados nos hospitais. Se você olhar os produtos que você tem em casa, vai perceber que existe uma grande quantidade de produtos que são fabricados na China, desde aparelhos domésticos, eletrônicos, e muito mais.

O ministro da saúde no Brasil disse "essa é uma das nossas fragilidades". Mandetta informou que o mesmo aconteceu com os respiradores. "Entregaram a primeira parte. Na segunda parte, mesmo com eles contratados, assinados, com o dinheiro para pagar, quem ganhou falou: não tenho mais os respiradores, não consigo te entregar. Então, nós voltamos de algo que a gente achava que a gente já tinha, demos um passo para trás" ele disse lamentando a situação.

Países como o Brasil dependem em grande escala de produtos Chineses, e em momentos de crise, os países que tem maior poder de compra tem prioridade, pois podem pagar mais, e estão preparados para isso.
Segundo o Mandetta, o Brasil tem de esperar que os países que tem "poder muito forte de compra já tenham se saciado" para que o Brasil possa reabastecer de itens essenciais.

Enquanto estes problemas vão acontecendo, os profissionais da área de saúde estão em risco. Recentemente o hospital Albert Einstein afastou 348 funcionários por contaminação com o Coronavirus. Segundo o ministro da saúde do Brasil, pode acabar sendo preciso normatizar o uso de máscaras tipo N95 por mais tempo em centros de saúde. Seria necessário por exemplo escrever o nome dos profissionais nos itens utilizados que então passariam por uma esterilização para poderem ser reutilizados.

Enquanto o Brasil demorou para agir, seja em se pronunciar junto a população, seja em aquisição de estoque para enfrentamento do Coronavírus, outros países tomaram a frente e acabaram tendo a vantagem para se precaverem ao máximo em relação a epidemia mais alarmante do século.

Ao mesmo tempo que esta situação é alarmante, também demonstra a importância de uma indústria auto suficiente, a medida que depender de países externos pode se tornar um risco e uma fragilidade enorme em casos de urgência.

 

 

Fonte: MSN