Coca-Cola: Refrigerante do Diabo, Jesus tomava Leão de Judá Cola

Oportunismo, ou ingenuidade? Crente lança linha de refrigerantes para crentes. A receita é baseada na Coca-Cola, inventora de refrigerantes "cola". Ironicamente, o fabricante ataca a Coca-Cola. É meio patético.

Seria oportunismo do fabricante, querer se aproveitar de uma "massa" consumista de artigos religiosos em função da sua comunidade religiosa incentivar este comportamento? Ou teria passado por algum surto emocional-psíquico no qual ele realmente acredita ter recebido orientações de uma "divindade" bíblica?

Se torna claro que este produto, pelo seu apelo sentimental altamente limitado, e até mesmo segregador, não terá o sucesso que seria suficiente para alcançar um patamar que possa "substituir" a Coca-Cola.
A começar por mim, que tomo muita Coca-Cola, mas não tomaria a Leão de Judá, pois ela foi feita para divulgar uma religião da qual eu não faço parte, e digo mais, maioria das pessoas que eu conheço não fazem parte.

Acredito que da mesma forma irão pensar os donos de mercados e distribuidoras, que ao começarem a disponibilizar em suas prateleiras este tipo de produto estarão praticamente dizendo "se você não é crente, você não é bem vindo aqui".
Eu entendo que para os religiosos não tem nada de mais se demonstrarem "um grupo fechado e com regras", isso faz parte do show para atrair fiéis, mas neste caso, estamos falando de algo que vai além do mundo imaginário, adentra o mundo real dos negócios.

É incrível ver que ao mesmo tempo onde entidades como a ONU vem fazendo um esforço para eliminar o preconceito, aqui no Brasil, vemos pessoas fazendo investimentos no mercado para tentar impor ideologias absolutamente voltadas ao segregamento social.

Agora pergunto, e se a Leão de Judá Cola falir? Significa o que? Que deus não existe ou que nem todos os crentes do mundo derrubam a Coca-Cola?
A estratégia de ataque é algo incrível! De cara já se vê que o marketing ta "pegando" na sede da Leão de Judah Cola.

Veja abaixo no primeiro vídeo, onde o representante (Moisés Magalhães)  dono da empresa conta a história (o cara parece um pastor falando) de como ele falou com algum ser "divino" que lhe deu a "ideia" de copiar a Coca-Cola, e os "motivos" pelo qual ele deve fazer isso.


Ai você vê o vídeo e pensa que é mentira né? Pegadinha viral no Youtube. Ninguém faria algo assim de verdade.
Então o mesmo senhor do vídeo anterior apresenta uma depósito com milhares de latinhas do refrigerante para crentes, e já começa a mostrar pânico de estar com o estoque parado, já oferecendo valores para quem quiser participar no "empreendimento". Veja abaixo:

UPDATE: (como imaginei, o vídeo foi removido)

A resposta das pessoas foi imediata:
veja abaixo um printscreen da estatística de votação para o vídeo

Pelo visto, não está fazendo muito sucesso entre os distribuidores, o vídeo recebeu apenas negativas.
(coloquei o print porque canais de crentes geralmente bloqueiam as opções de voto depois da primeira leva de negativas)
Tem "vaga" para 7 mil distribuidores (pagando em torno de 30 mil Reais), a pergunta é quem irá se arriscar em mostrar desprezo por pessoas de outra religião investindo nessa empreitada de propaganda religiosa?

Por fim, deixo um comentário do Wendell Marinho fazendo algumas comparações entre as empresas (Coca Cola e Leão de Judá Cola).

 

 

A única questão que eu gostaria de saber é se o dinheiro investido para este negócio é investimento próprio, ou se por acaso foi utilizado em algum momento empréstimos através de algum plano do Governo. Pois, se o cara está gastando o dinheiro dele por causa de um sonho, tudo bem, se falir, beleza. Agora se for empréstimo do governo através de algum dos planos de crédito para empresários, se falir e ele não pagar o governo, quem está de fato usando chapéu de palhaço somos nós. Não consegui encontrar em local algum de onde veio o real financiamento para este investimento.

Vou ali tomar uma Coca-Cola.
Falou!