Bolsonaro com Coronavírus e o que mudou

Quando o Coronavírus estourou o PresidenteJair Bolsonaro (sem partido) estava nos Estados Unidos. 21 integrantes de sua comitiva contraíram o vírus, mas Bolsonaro afirmava não estar contagiado. Durante o mesmo período Bolsonaro este entre manifestações e entre a população sem máscara e até mesmo tossindo e coçando o nariz enquanto interagia com as pessoas.
Por causa da grande quantidade de pessoas de sua comitiva infectadas, havia a grande suspeita de que Bolsonaro também pudesse estar infectado. Após afirmar que seu exame deu negativo, ele se recusou a apresentar o exame. O jornal Estado de São Paulo teve de entrar com um recurso na justiça para obter acesso aos exames, porém os exames apresentados não poderiam ser utilizados para confirmar se eram de fato do presidente porque não continham nenhuma informação factual. A suspeita até o momento é que foram utilizados outros exames que deram negativo para serem apresentados, porém não há como comprovar isso. A suspeita de que os exames são falsos tem fundamentação porque muito do que Bolsonaro fala e muito do que foi divulgado em sua campanha eleitoral eram dados comprovadamente falsos também, o que indica um certo modo de operar do presidente.

Recentemente com tantos erros enormes em sua gestão, onde o ministério da Educação e da Saúde estão sem ministros até o momento desta publicação, onde o Brasil já supera os 60 mil mortos por coronavírus, Bolsonaro também lida com os problemas das investigações dos filhos, tentando inclusive alterar pessoas em cargos chave na polícia para tentar impedir os processos de seguirem, ou ser informado sobre o andamento dos casos para poder interferir segundo denúncia feita por Sérgio Moro, ex ministro da Justíça, que se demitiu justamente por não aguentar mais as tentativas de Bolsonaro de interferência nas atividades da polícia.
Junto as investigações dos filhos, dos diversos escândalos em seus ministérios, Bolsonaro tomou um dos maiores golpes quando o Queiroz, personagem chave ligado a esquema de rachadinhas, e talvez até mesmo ligado ao assassinato de Marielle Franco, foi preso dentro da casa do então Advogado de Bolsonaro e família.
Queiroz fez depósitos até mesmo na conta da atual esposa de Bolsonaro. Há fotos deles juntos em diversas situações que demonstra que eles tem uma amizade longa e duradoura.

Com tudo desfavorável ao governo de Bolsonaro, completamente acuado, Bolsonaro ficou calado por alguns dias, fazendo com que o Brasil tivesse uma trégua de notícias ruins  das más decisões do governo e declarações absurdas que Bolsonaro falava diariamente.

Essa semana porém, tudo mudou.
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anuncia que está infectado com Coronavírus. Sem brigar e sem ninguém precisar entrar na justiça para saber a verdade, ele apresenta o laudo médico. Assim como anteriormente, surge a dúvida se é verdade, ainda mais depois que na última vez a sua atitude em relação ao contágio foi totalmente oposta e os exames apresentados aparentemente falsos. Ele poderia muito bem estar fazendo a mesma coisa agora. Com possível exame falso novamente, usar esta nova narrativa ao seu favor.
Uma das coisas que esta nova narrativa traz é a suposta confirmação de que antes, enquanto transitava entre as pessoas Bolsonaro não estava infectado, algo que há estas alturas já não se tem como comprovar, mas para quem ainda acredita nele, serve como um alívio e munição nova para defender o presidente nos debates em redes sociais onde muitas vezes o Bolsonaro seria acusado de ser irresponsável em ir possivelmente contaminado com o vírus circular entre as pessoas sem mascara.
Ao mesmo tempo, ele já saiu fazendo vídeos informando que está tomando cloraquina, o remédio o qual ele encomendou ser produzido pelo exercito Brasileiro e o qual o fabricante é apoiador do presidente.
Como todos sabemos, nenhum remédio para algo tão grave como o Coronavírus traria resultados imediatos como o presidente disse estar tendo, o que levanta novamente a suspeita de que ele possa estar novamente mentindo sobre ter contraído a doença.
Acontece que, como aponta acertadamente Gabriela Prioli, ao avisar todos que está com o vírus, muitas pessoas evidentemente se manifestaram com uma retórica satirizando o presidente, e a hashtag #forçacovid subiu nas redes sociais indicando que as pessoas estavam torcendo pela morte do Bolsonaro. Isso de fato apenas ajuda o presidente a articular mais uma vez sua base de apoiadores a defender o presidente e o fato dele estar alegando estar se curando com um medicamento que já foi inclusive abandonado pela OMS também indica que ele segue tentando fazer com que as pessoas usem este medicamento para tratamento, apesar de não haver indício nenhum de sua eficiência e o medicamento causar sintomas colaterais gravíssimos.

Embora muitas pessoas falem que é um erro desejar a morte do presidente e outras expressam abertamente que desejam sua morte, a realidade é que se ele morrer agora por causa do vírus isso apenas amplificaria o Bolsonarimo no Brasil. Embora Bolsonaro tenha desejado a morte de muitas pessoas abertamente, e se posicionar de forma desdenhosa com relação aos milhares de casos de morte, o melhor cenário é que Bolsonaro possa ser corretamente investigado, e assim então todas as verdades que estão por trás deste presidente e sua família possam ser descobertas e divulgadas para a população, assim deixando zero questionamentos e com isso desmoralizar o presidente e sua família no governo de forma irreparável, caso as suspeitas se confirmem.