Bits de informação e o cérebro fracionado do internauta

Existem pesquisas que afirmam que a internet pode estar deixando as pessoas mais fracionadas, pois a quantidade de informação  assimilada para cada tópico é respectivamente pequeno em comparação ao que estávamos de certa forma acostumados com outras mídias. Em jornais, impressos em geral e televisão, a quantidade de informações sobre um determinado assunto era maior, não melhor, mas a quantidade de tempo que se dedicava exclusivamente a uma matéria, ou notícia sem dúvida tinha a percepção de ser maior. O tempo do noticiário televisionado, o tempo de sentar pra ler um jornal, livro ou revista, embora não seja comparado ao tempo sentado na frente de um computador, pode ser considerado um tempo razoavel para absorção de uma informação.
Por outro lado, nestes tipos de mídia, acabamos vendo o que nem nos interessa. As informações fornecidas são decididas em grande maioria pelo editor ou promotor.
Hoje  com o avanço da internet, podemos nos focar nas informações que nos interessam, e ir pulando de site em site, assimilando os dados que são de fato desejados por nós.
Esta liberdade de alguma forma causou um desconforto inicial a todas as redes de mídia, já que tiveram de se readaptar ao novos tempos, inclusive em alguns casos cortando gastos em uns setores para poder reinvestir em outros.
Agora com a velocidade de transmissão de informações e facilidade em acessar e ao mesmo tempo sair de onde se está, a necessidade de "fisgar" a atenção de um leitor é eternamente maior.
Existem disponíveis na internet centenas de meios de inserção de "iscas" de conteúdo, seja através de publicidade paga, ou até mesmo de inserção em redes sociais. Hoje, um título bem elaborado ou um resumo de 140 caracteres sobre algo pode determinar se o conteúdo é acessado ou não.

Algumas pesquisas elaboradas temem que o resultado do ser humano conseguir fracionar tanto as informações pode ser um problema para quando o cérebro precisar se focar por longos períodos de tempo, se este for desacostumado a pensar.
Mas por outro lado, a internet está recém tomando os primeiros passos para tornar o conteúdo relativo e determinar a importância de cada informação. É de se pensar que em um futuro próximo as informações estarão vinculadas e distribuídas de uma forma muito mais eficientes e será possível de forma fácil acessar toneladas de informações sobre o mesmo tópico.

É dificil se pensar em ficar concentrado em uma unica coisa, principalmente em um computador com acesso a internet onde por natureza o nosso comportamento é de executar multi tarefas.  Porém é interessante constatar que em um ambiente digital podemos expandir simultaneamente em várias direções, e talvez seja este comportamento que deva ser melhor analisado, afinal, existes pessoas que praticamente vivem na internet e podem estar constantemente evoluindo várias de suas habilidades, em diversas direções, utilizando informações fracionadas para conseguir gerir uma quantidade maior de informações como um todo.

A experiência humana com a internet é ainda recente demais e as ferramentas somente agora tomam formas mais interessantes, ainda que longe de uma comunicação direta entre cérebro e informação, estamos cada vez mais capazes de encontrar o que buscamos e através da internet aprender e nos informar mais.

Eu particularmente acho bastante difícil acreditar que a internet possa refletir no aprendizado humano de forma negativa.

É claro que devemos sempre na internet preservar a multiplicidade de informações, afinal, não podemos e nem devemos utilizar somente uma ferramenta para nos ajudar a agrupar todas as informações, é sempre importante existir competição neste sentido. Hoje mesmo quem utiliza somente o Google como mecanismo de pesquisa acaba por não ter sempre a melhor resposta para sua pesquisa. Este tipo de resultado é derivado de um sistema que se baseia em cálculos que podem ser facilmente assimilados por pessoas que publicam conteúdo e desejam estar melhor posicionados, e outras que também publicam, mas estão desatualizadas das melhores formas de indexação de conteúdo, tornando o sistema impreciso.
É sabido que com um trabalho focado em indexação pode se obter resultados extremamente diferentes do que os resultados obtidos por simples publicação na internet. Ao mesmo tempo, a quantidade de informações repetidas também atrapalha o desempenho destes mecanismos.

O importante hoje, é conseguir sempre concientizar as pessoas a utilizarem vários meios para obter as suas informações, não dependerem só de um site, e nem mesmo só de uma ferramenta, pois, se você ficar dependente de receber informações através de qualquer meio de informação, principalmente digital, você pode acabar não obtendo as informações desejadas e atualizadas da forma como seria o ideal.

Pessoas que vivem apenas de informações de sites grandes e portais, acabam sem saber que geralmente estas informações foram divulgadas através de meios de comunicação muito menores, e por este motivo acabam recebendo as informações horas, e em alguns casos dias ou meses depois.

Felizmente existem centenas de canais de agrupamento de informações que permitem que uma pessoa online tenha acesso de forma fácil a diversas informações de seu interesse.

Embora sempre se tenha pessoas poluíndo com informações repetidas, ou com informações incorretas, através dos próprios meios que estão disponíveis já é possível corrigir e acrescentar informações para tornar o conteúdo mehor para todos.  De qualquer forma, acho importante ver todas as alterações como forma uma forma de evolução da comunicação humana assim como da capacidade humana de assimilar informações mesmo que neste primeiro momento, estejamos ainda nos debatendo sobre como organizar todas estas informações de forma que fique melhor organizada para todos.