As mentiras de Ernesto e Pazuello e os piores vídeos da CPI

A semana passada foi pesada, principalmente porque o que muitas pessoas já suspeitavam, começou a ficar esclarecido durante a CPI da Covid no Brasil. O Ex-Chanceler Brasileiro que foi amplamente criticado por todos de sua classe, assim como por entidades internacionais esteve presente na CPI e suas respostas não agradaram a ninguém. Sua presença como Chanceler do Brasil foi altamente prejudicial a imagem do Brasil no mundo e agora, graças a imensa incompetência e ações totalmente baseadas em ideologias de um cartomante que mora nos EUA, o Olavo de Carvalho, o Brasil terá de reconciliar e desfazer todos os problemas causados por Ernesto Araújo, um desastre nas relações do Brasil com o exterior.

Por causa de ideologia, o Chanceler além de mentir amplamente, se mostrou uma pessoa completamente despreparada para o cargo que ocupou, e isso já erá notável quando assumiu o cargo, mas após sua participação na CPI se pode ver claramente o quanto inapto e ineficaz foi sua participação do governo.
Envergonhou o Brasil, por mais de uma vez, em redes sociais e artigos, e em ações efetivas não teve a menor capacidade de tomar as ações exigidas pelo seu cargo.

Além da vergonha internacional que represta o Ernesto Araújo para o Brasil, tivemos na mesma semana o desprazer de ver Pazuello, agora ex-ministro da Saúde, também caindo em contradições enormes com relação as suas falas. Pazuello se esqueceu que muitas das coisas que ele negou, estavam todas gravadas e filmadas, simplesmente mentiu, segundo os parlamentares, sem nenhuma vergonha.
No primeiro dia, chegou a passar mal, o que indica que o topo da herarquia do exército Brasileiro não vai muito bem. Se fosse uma guerra e dependessemos do Pazuello, o Brasil estaria perdido.

A importância destes dois depoimentos  é enorme pois demonstra absoluto e total descaso com o Brasil, com as mortes, com a pandemia, com sua imagem perante o mundo. Parece que fizeram tudo para destruir o que podiam enquanto estavam no cargo que lhes foi dado pelo presidente Jair Bolsonaro (que até agora está sem partido).

Enquanto o Brasil acompanha a CPI da Covid, percebemos que existe por parte do governo federal encabeçado por Jair uma clara posição negacionista, que ficou ainda mais clara quando o filho do presidente, Flávio Bolsonaro, que é conhecido por ter, durante um debate político defecado nas próprias calças e que absurdamente está na CPI dando palpites, sugeriu que o presidente do Brasil esteja recebendo conselhos em paralelo de um dos pastores mais controversos do país, o Silas Malafaia. Agora existe a possibilidade de assistirmos uma espécie de circo de horrores na CPI caso o Malafaia venha a prestar depoimento. Por ser uma pessoa extremamente sem noção e amplamente conhecido por negar a realidade por causa de sua religião, Silas Malafaia pode se tornar a prova conclusiva de que o presidente tinha aconselhamento paralelo e que não erá de técnicos, nem médicos, mas sim de um pastor que é supostamente considerado curandeiro e negacionista de dados básicos da ciência.

 

Só o que podemos esperar para os próximos dias é que seja então chamado o Silas Malafaia, para demonstrar claramente como não existe no governo do Jair nada que faça sentido. Se um presidente é aconselhado por uma pessoa tão abertamente negacionista, desconhecedor de dados básicos sobre ciência, sobre doenças, mas que fez de tudo para abrir as igrejas e causar aglomerações em cultos, ficará talvez mais claro ainda as intenções maléficas do presidente Brasileiro.

Toda esta tragédia política acontece desde que foi eleito Jair Bolsonaro como presidente do Brasil, hoje considerado um dos presidentes mais ignorantes e incompetentes do mundo. Conseguiu tornar o Brasil um pária para o mundo e tornou o Brasil, apesar de ser uma das maiores economias do mundo, uma pais irrelevante para resto do mundo.

O Brasil vive seu pior momento interno e externo, e ambas as crises são absurdamente acentuadas pelos atos diretos e indiretos do presidente Jair Bolsonaro.