Anatomia do mal: o que exames psicológicos revelaram sobre nazistas

Iniciados em 20 de novembro de 1945, na Alemanha, após o fim da Segunda Guerra Mundial, os Julgamentos de Nuremberg sentenciaram 24 dos mais importantes líderes do Nazismo. Doze deles foram condenados à morte.

E, apesar de muito já ter se falado sobre os processos em si, pouco se discutiu sobre a extraordinária análise psicológica dos nazistas que foi feita nesse período.

Horas de entrevistas, exames e observações tentaram responder se os nazistas eram verdadeiros monstros ou seres humanos comuns que cometeram monstruosidades.

Neste vídeo, Malu Cursino mostra o que foi descoberto com a análise das mentes de quatro figuras marcantes do Nazismo: Robert Ley, Julius Streicher, Rudolf Hess e Hermann Göring. E conta como psicólogos tentaram destrinchar a anatomia do mal nos nazistas.

Em muitos momentos é possível comparar a forma como agiram os nazistas em relação ao que está acontecendo no governo Brasileiro hoje. Após o início da CPI da Covid, estamos assistindo a pessoas com corportamentos similares.
Se torna fundamental analisarmos o que se tem disponível de informações na história sombria da humanidade para podermos encontrar soluções nos problemas atuais.

Assim como as religiões serviram durante a história da humanidade para promover coisas horríveis, a política aliada da propaganda, pode muito bem tornar pessoas comuns em monstros e fazerem monstrosidades sem limites.
As motivações podem até em alguns casos, para os que fazem os crimes, serem legítimas, em suas mentes. Como é o caso de pessoas que cometem assassinato por crenças religiosas, apesar de não existir em momento algum nenhum fato ou dado na historia que comprove a existência de qualquer deus.

Já foi mais que comprovado o quanto o comportamento de manada nas massas humanas pode fazer e isso é algo que precisa ser constantemente lembrado, pois fácilmente as pessoas podem se sentirem parte de uma crença que acabaram sendo doutrinadas sem nem sequer se darem por conta. Hoje com a internet é ainda mais fácil a disseminação de pensamentos e ideias que nem sempre são baseadas em realidade e que ao mesmo tempo podem causar um tremendo estrago para um povo inteiro de uma nação e até mesmo para o mundo inteiro.

Por mais horrível que seja revisitas as atrocidades do passado, lembrar é também uma forma de impedir que se repitam.