Amigos sabem quando você vai morrer indica estudo

amigos

Publicado em 12 de janeiro na versão online do Psychological Science o estudo demonstra que sua personalidade na idade jovem (20s) podem ajudar a prever quanto você vai viver pelos próximos 75 anos e que amigos mais próximos são melhores em reconhecer as caracteristicas que podem indicar sua longevidade melhor que você.

Participantes masculinos vistos pelos seus amigos como pessoas mais concienciosa acaba vivendo mais. Participantes femininas cuja amigas avaliaram que tinham mais estabilidade emocional e de facil convivencia também desfrutam de vidas mais longas, o estudo revelou.

"Nossa pesquisa demonstra que pesoas são capazes de observar e avaliar a personalidade de um amigo com precisção suficiente para detectar mortalidade bem antes de acontecer"- Disse Joshua Jackson, PhD e professor assistente de psicologia em Arts & Sciences - "Os resultados da pesquisa sugerem que amigos podem detectar uma vida curte mesmo quando seus amigos estavam saudável por maior parte do tempo, com uma grande antecedencia.".

Não é um segredo que as características da personalidade de uma pessoa podem ter um impacto na saúde desta pessoa. Características como depressão e irritabilidade tem sido relaionadas com uma crescente quantidade de riscos de varias doenças até mesmo morte prematura.

Euqnato que outros estudos deonstraram que a avaliação da prórpria pessoa com relação a sua personalidade pode ajudar a determinar sua mortalidade, houveram poucas pesquisas para descobrir se amigos próximos sendo questionados poderiam ajudar a prever uma longa vida.

Para explorar esta questao Jackson e seus colegas analizadas dados de um estudio longitudinal que começou a seguuir pessoas jovens nos anos 30. A grande maioria com seus 20 e poucos e prestes a se casarem.

O estudo contém bastante dados sobre as características de personalidade, ambos das próprias pessoas e de seus amigos próximos.

Usando a infrmação das pesquisas de follow-up e pesquisando pelos atestados de óbito, Jackson e seus colegas foram capazes de documentar as datas das mortes pra praticamente todos os participantes da pesquisa. As avaliações dos colegas foram mais corretos em previsões do que as avaliações dos proprios individuos pesquisados.

Fizeram parte da pesquisa:

co-autoria de James J. Connolly, PhD, e Madeleine M. Leveille, PhD, de Connolly Consulting, Waterford, Connecticut; S. Mason Garrison do Department of Psychology and Human Development, Vanderbilt University; e Seamus L. Connolly of College of Medicine, Touro University, California.

Fonte: Science Daily

Fonte da pesquisa completa: http://news.wustl.edu/news/Pages/27908.aspx