A Internet Estéril ou Internet Geradora: O Futuro da Internet

Hoje pude sentar e assistir uma palestra muito interessante sobre a Internet em suas duas facetas com Jonathan Zittrain. De um lado temos a Internet estéril, onde todo o ambiente web é controlado e um grupo pequeno de pessoas ou empresas tem a escolha do que pode ser distribuido e utilizado, e do outro lado temos a Internet geradora, onde as pessoas geram suas próprias soluções.

No vídeo abaixo  Jonathan cita vários exemplos e consegue montar um quadro perfeito para compreensão de todos como funciona a polarização da Internet a partir de pontos de vistas diferentes e que atuam hoje no mundo. A palestra aconteceu em 11 de abril de 2008, no Tribeca Grand in NYC, e apesar de já fazerem alguns anos, todas as informações que Jonathan discute estão ficando cada vez mais evidentes.

Vídeo em inglês.

 

Se você gostou da palestra, talvez você também goste do site do cara!
http://futureoftheinternet.org/ 

Se você quer saber mais sobre Jonathan Zittrain existe uma página sobre ele no Wikipedia bem completa.

 

 

 Minha opinião

O problema é profundo e atinge todos os níveis da Internet.
De um lado, existe a vontade do consumidor de poder ter o seu aparelho, ou aplicativo ou sua presença na Internet fácil de utilizar, mas ao mesmo tempo é super necessário haver liberdade total para que as pessoas possam criar novas soluções. Liberdade tem um lado negativo: pessoas de má índole ou de má fé tentam se aproveitar das liberdades para obter lucro ou alguma vantagem.
Quando existem códigos maliciosos em toda a Internet que podem comprometer todas as informações de seu computador ou de sua conta online, a forma como problemas como este devem ser resolvidos varia muito nos tipos de propostas. De um lado, existem os desenvolvedores que acreditam que  a melhor alternativa é poder controlar tudo, e se você acompanha as noticias pelo mundo, cada vez mais estão ocorrendo tentativas de limitar e restringir o acesso sob a bandeira de preservar os usuários.
Por outro lado, aumentando restrições impede que surjam novas tecnologias e que se descubra novas oportunidades e capacidades.
Em muitos casos, são as próprias pessoas que solicitam intervenções do governo, ou das instituições.
Quem nunca ouviu falar de alguma prefeita querendo bloquear o Twitter no Brasil porque tinha um Fake atuando em seu nome? Ou a apresentadora de televisão que quase teve a justiça Brasileira  bloquear o Youtube por ter um vídeo seu sendo veiculado sem permissão?

Talvez a mentalidade de toda a Internet precise mudar.O ideal é que as pessoas realmente consigam contar umas com as outras para gerar soluções aos problemas, e passem a ampliar as capacidades de segurança disponíveis. Novos mecanismos com menos falhas, novas alternativas mais seguras vão possibilitar que a Internet continue sempre livre, e de preferência auto regulamentada. Inclusive, se empenhar em impossibilitar que a Internet seja restrita é em si  mais um mecanismo de auto segurança da própria Internet.

Neste momento ainda não li o livro do Jonathan, mas a palestra é bem cativante. Espero que você tenha gostado.

Mais informações no Internet Society