A direita radical que detesta a grande maioria das pessoas do mundo

Quando se mistura o extremismo religioso em um cenário político globalizado através de ferramentas de redes sociais que são arquitetadas para obter o máximo de atenção e tempo das pessoas, á uma ideologia política com uma narrativa falsa em um momento em que milhões de novos usuários de Internet estão recém começando a se conectar e acessam diretamente as redes sociais para obter sugestões de conteúdo, o resultado é catastrófico em termos de percepção entre a realidade e a narrativas que distorcem a realidade para seguirem uma agenda política-religiosa.
Ao se apropriarem de narrativas e ideologias extremas provenientes das novas seitas religiosas, carregando bandeiras como "família" e "moral" mas com um significado distorcido e retrogrado, a nova extrema direita, apesar de oferecer apenas uma ilusão de estar representando estas bandeiras para o bem de todos e que o mundo estaria se distanciando de deus por causa da "esquerda", potencializam seu discurso inflamado de ódio, ao mesmo tempo se valem da forma como a religião é disseminada, sem evidências de veracidade, apenas calcada em achismos medonhos, maioria das vezes dependente exclusivamente da falta de conhecimento de quem está aderindo ao pensamento extremista, assim como as religiões que elas espelham, que prometem curas, enriquecimento e muitos outros milagres, sem haver, jamais, sequer apresentado qualquer evidência que pudesse comprovar suas afirmações. Para um grupo que está acostumado a racionalizar e aceitar informações sem lógica, estas pessoas se tornaram o perfil ideal para introduzir uma realidade produzida e arquitetada para enganar e desviar a atenção das pessoas, direcionando elas para as mais variadas e improváveis teorias conspiratórias.

São manchetes diárias de comportamentos e pensamentos esquizofrênicos e maníacos dentro da política mundial e que em alguns lugares tem ganhado notoriedade e atenção dos desavisados. Marcham pelas ruas, ostentando sinais de que fazem parte de um grupo, que apesar de pequeno, apesar de completamente equivocado, mesmo assim, tem poder de voto, e através do voto podem colocar a prova até mesmo as instituições democráticas de um país. Se valem da democracia para destruirem a democracia.
Depois de estarem no poder, invariavelmente tomam ações para enriquecimento próprio e de seus aliados visando justamente a sua perpetuação no poder.

No Brasil esta movimentação vem sendo notória. Um país que era estava sendo bem visto pelo mundo, com uma política externa eficiente e com um crescimento astronômico, a liberdade as pessoas começou a encomodar de mais certos grupos facistas e moralistas, que então articularam para justamente interromper este progresso que faz mal para todos os negócios que dependem de enganar e impedir acesso a informação, impedir direitos e impedir liberdades pessoais.
Não é a toa que vemos tantos religiosos e tantas entidades religiosas pelo mundo todo sempre martelando sobre comportamento sexual, outras religiões, e até mesmo criando explicações alternativas a realidade para justificar sua visão de mundo distorcido.

No vídeo abaixo, Henry Bugalho fala um pouco sobre a tragetória que ele vem percebendo nesta acensão do extremismo e que vem resultando em tantas catástrofes pelo mundo todo desde que começou a articular a política pautada em visões religiosas e em um sistema de governo "mínimo" para ajudar a população, indo contra tudo que se aprendeu sobre o lugar do governo e sua responsabilidade com o povo de seu país, e com o lugar de seu país no mundo.

O problema que a extrema direita se depara é que para ela existir, destilando o ódio a tantas liberdades, a tantas formas de pensamentos adversos e calcados em fatos, portanto, se opõe a grande maioria das pessoas do planeta. Infelizmente nem todas as pessoas que se colocam a disposição para apoiar a extrema direita, não se dão por conta que elas também são, no final das contas, o inimigo da ideologia política que ela mesma apoia.